Imprimir

Nunca a Amazônia, o pulmão verde do planeta, esteve em tão grande perigo como durante essa última década, a segunda do século XXI. Os prejuízos estão lá, mas constatamos que quase todo mundo tem consciência disso, mas nada parece evoluir, tanto politicamente como economicamente, no sentido de uma preservação dinâmica deste órgão vital do mundo vivo. No entanto, há mais de uma geração, várias alertas foram emitidos, fundos levantados, ONGs globais se multiplicado, e programas de conservação foram lançados. Tudo isso para nada? A Amazônia parece hoje ser entregue sem reservas ao apetite voraz das multinacionais do petróleo, gás, ouro, bauxita e outros minerais em seu solo, por sua madeira, suas terras convertidas em plantações de soja, de milho ou de cana-de-açúcar, ou para o fluxo dos rios, energia utilizável nas imensas barragens construídas no meio do nada, atraindo para eles a miséria do mundo, a criminalidade e ainda mais ganância.

 

Quem é a causa dessa negligência generalizada? Quem não tem interesse em que a floresta permanece em pé? Quem quer impedir o grande público de se tornar mais consciente de que esta predação é causada por seu consumo direto, e que ele é mantido na ignorância pelos governantes, líderes empresariais, e outros personagens agindo nas sombras? Quando é que essas pessoas serão julgadas por seus crimes?

 

Este site é destinado a informar sobre algumas histórias conturbadas com relação à proteção da Amazônia. Ele concentra informações disponíveis na internet e revela outras, a fim de esclarecer da maneira mais completa possível os assuntos tratados. Em razão da seriedade e objetividade, este site tem a intenção de fazer mais perguntas que dar respostas, para iniciar um debate saudável na luta contra a deflorestação na Amazônia.

 

Os redatores deste site desejam permanecer anônimos. No entanto, você pode entrar em contato conosco através do nosso formulário de contato, para contribuir com a divulgação de fatos importantes que merecem ser tornados públicos. Finalmente, é preciso lembrar que cada um de nossos artigos são destinados a satisfazer as exigências de um conteúdo jornalístico. Além disso, nós aceitaremos direitos de resposta se eles surgirem, acompanhados de um comentário que reflete as opiniões dos nossos redatores.

 

Nunca a Amazônia, o pulmão verde do planeta, esteve em tão grande perigo como durante essa última década, a segunda do século XXI. Os prejuízos estão lá, mas constatamos que quase todo mundo tem consciência disso, mas nada parece evoluir, tanto politicamente como economicamente, no sentido de uma preservação dinâmica deste órgão vital do mundo vivo. No entanto, há mais de uma geração, várias alertas foram emitidos, fundos levantados, ONGs globais se multiplicado, e programas de conservação foram lançados. Tudo isso para nada? A Amazônia parece hoje ser entregue sem reservas ao apetite voraz das multinacionais do petróleo, gás, ouro, bauxita e outros minerais em seu solo, por sua madeira, suas terras convertidas em plantações de soja, de milho ou de cana-de-açúcar, ou para o fluxo dos rios, energia utilizável nas imensas barragens construídas no meio do nada, atraindo para eles a miséria do mundo, a criminalidade e ainda mais ganância.

Quem é a causa dessa negligência generalizada? Quem não tem interesse em que a floresta permanece em pé? Quem quer impedir o grande público de se tornar mais consciente de que esta predação é causada por seu consumo direto, e que ele é mantido na ignorância pelos governantes, líderes empresariais, e outros personagens agindo nas sombras? Quando é que essas pessoas serão julgadas por seus crimes?

Este site é destinado a informar sobre algumas histórias conturbadas com relação à proteção da Amazônia. Ele concentra informações disponíveis na internet e revela outras, a fim de esclarecer da maneira mais completa possível os assuntos tratados. Em razão da seriedade e objetividade, este site tem a intenção de fazer mais perguntas que dar respostas, para iniciar um debate saudável na luta contra a deflorestação na Amazônia.

Os redatores deste site desejam permanecer anônimos. No entanto, você pode entrar em contato conosco através do nosso formulário de contato, para contribuir com a divulgação de fatos importantes que merecem ser tornados públicos. Finalmente, é preciso lembrar que cada um de nossos artigos são destinados a satisfazer as exigências de um conteúdo jornalístico. Além disso, nós aceitaremos direitos de resposta se eles surgirem, acompanhados de um comentário que reflete as opiniões dos nossos redatores.