Imprimir

2. STING EXPULSA DUTILLEUX DEVIDO A ENRIQUECIMENTO PESSOAL (1990) : INTRODUÇÃO 

 

Em 26 de novembro de 1990, aparece um artigo sobre Sting no jornal inglês Daily Express, intitulado “O que aconteceu com o caixa de Sting na Fundação Rainforest?” (O que aconteceu com o dinheiro da floresta virgem de Sting?) O jornalista James Davies relata o ponto de vista da estrela do pop sobre as histórias que são contadas desde o início do ano sobre a gestão de dinheiro da Fundação Rainforest.

Anexo 008: artigo “O que aconteceu com o dinheiro de Sting na Fundação Rainforest?”, jornal Daily Express, de 26 de novembro de 1990

por James Davies

Baixar a página em PDF (inglês)

O ponto de vista de Sting pode ser resumido como: não houve desvio de fundos, ninguém fugiu com o caixa, mas as despesas foram mal geridas. Nessa época, Sting está prestes a viajar para Brasil com a intenção de recomeçar dessa vez tomando o caminho certo com os indios, no momento em que ele acabou de contratar Larry Cox de Amnesty International, que tinha 15 anos de serviço na ONG. Uma garantia de seriedade para apagar o amadorismo o início da Fundação.

Mas a parte mais interessante desse artigo se encontra no fim da segunda coluna. Sting diz o que aconteceu com o dinheiro do livro escrito em parceria com Dutilleux

"
  He was embarrassed by the fact that Belgian photographer Jean-Pierre Dutilleux, the man who first introduced him to the indians, did not hand over a penny of the advance he received for the book Jungle Stories which they jointly produced.
  "He said he was a working journalist who needed the money." says String. "I have to accept that. I am a rich man." But sales of the book barely covered the advance.
"

Traduction :
"
Ele estava envergonhado pelo fato do fotógrafo belga Jean-Pierre Dutilleux, o homem que o fez conhecer os índios, não devolveu um centavo do adiantamento que recebeu pelo livro “Amazônia luta pela Vida”, com histórias que eles escreveram juntos. “Ele disse que com seu trabalho de jornalista ele precisava desse dinheiro”, disse Sting. “Eu tenho que aceitar isso, eu sou um homem rico.” Mas as vendas do livro mal cobriram o adiantamento.
"

Isso corrobora o que o artigo da Rolling Stones sugeria: Dutilleux embolsou o dinheiro da história. Nesse caso, o dinheiro do adiantamento do livro. Agora nós sabemos duas coisas sobre esse avanço: é enorme, porque é um livro de Sting, e Sting o doou a Fundação Rainforest. Dutilleux então não doou também ?

Isso é o que deduzimos que aconteceu: Dutilleux sempre disse que ele doaria os direitos de autoria, mas ele fez uma distinção entre o adiantamento e os direitos doados a partir do momento onde esse adiantamento seria reembolsado pelas vendas. E você, de fato, leu corretamente: o adiantamento, um ano e meio após o lançamento do livro não é reembolsado. Isso explica o que Sting diz sobre Dutilleux ter ganhado dinheiro sobre o livro sem nada doar a Fundação.

É aqui que está o golpe. Não é apenas uma grande mentira como parece dizer o apresentador do programa “World in Action”, é uma confusão de um nível quase artístico. Dizendo que ele havia doado todos os direitos de autor para os índios, Dutilleux desobriga-se com facilidade, porque ele doou exatamente zero, essa foi a soma exata que ele recebeu em royalties. No intento, os indios não tocaram em nada, ao contrario dele, que fez passar os seus interesses pessoais à frente da causa.

 

SUMÁRIO GERAL :

JEAN PIERRE DUTILLEUX, A BARRAGEM BELGA DA AMAZÔNIA

1. POR TRÁS DO FILME “RAONI” (1979 – 2015)

2. STING EXPULSA DUTILLEUX DEVIDO A ENRIQUECIMENTO PESSOAL (1990)

3.UM BELGA EXPLORA OS ÍNDIOS DA AMAZÔNIA E TENTA UM GOLPE DE 5 MILHÕES DE $ NA EUROPA (1991)

4. UM DEPÓSITO ILÍCITO DA MARCA RAONI (2010)

5. DUTILLEUX PROIBIDO DE ENTRAR EM TERRITÓRIO KAYAPÓ E PERSEGUIDO POR VENDA DE FOTOS (2000-2004)

Anexos do documento