Imprimir

3.UM BELGA EXPLORA OS ÍNDIOS DA AMAZÔNIA E TENTA UM GOLPE DE 5 MILHÕES DE $ NA EUROPA (1991)

 

 

 

Esclarecimento: Sting foi o guia do Chefe Raoni na primavera de 1989 em uma turnê triunfante ao redor do mundo, na qual grandes somas de dinheiro foram levantadas para proteger as terras indígenas no Brasil. 

Ao lado deles, viajavam também o chefe Megaron, o chefe Sioux Floyd Wersterman (conhecido como Red Crown) e principalmente Jean-Pierre Dutilleux, que possibilitou o primeiro encontro do chefe indígena e da estrela do Rock na primavera de 1989. Os problemas começaram no início do ano de 1990, quando Jean Pierre Dutilleux foi acusado de ter se enriquecido pessoalmente durante a famosa turnê mundial, sabendo que ele era membro fundador da Fundação Rainforest e do Conselho de Administração da maior parte dos escritórios criados durante a turnê. As acusações surgiram na revista Rolling Stone França de janeiro de 1990 (uma investigação de 15 páginas feitas por Mark Zeller), depois no programa de investigação World in Action (produzido pela Granada TV - episódio: "Sting e os Índios", realizado por Debbie Christie e transmitido em 2 de abril de 1990 nos Estados Unidos.

Depois dessa história, que foi reproduzida muitas vezes pela imprensa sensacionalista, Jean-Pierre Dutilleux foi expulso pelos membros diretores da Fundação Rainforest, nesse caso Sting e sua futura esposa Trudie Styler. Ele mantém, no entanto o escritório francês, a Associação pela Floresta Virgem (Association pour la Foret Vierge) e o escritório belga que é presidido por seu pai. A expulsão de Jean Pierre Dutilleux passou relativamente despercebida na Europa, mas não no Brasil, onde a revista Veja publicou uma inserção na página 35 de sua edição de 2 de maio de 1990 (anexo 007).

 

UM CONTEXTO DO ROMPIMENTO ENTRE OS ESCRITÓRIOS DA FUNDAÇÃO PELA FLORESTA VIRGEM (Rainforest Foundation)

Anexo 009: artigo da revista semanal brasileira "Veja" de 2 de maio de 1990. e 009 : article de la revue hebdomadaire brésilienne Veja du 2 mai 1990

(Clique na imagem para baixar a página intera)

Prejudicado pelas denúncias feitas contra seu companheiro de aventuras na Amazônia e por uma gestão esbanjadora da Fundação Rainforest, Sting decidiu não jogar a toalha e fazer o necessário para continuar envolvido com o Chefe Raoni. Ele convenceu, por exemplo, Larry Cox da Anístia Internacional a fazer parte do conselho executivo de direção da Fundação Rainforest. Em novembro de 1990, ele foi com Larry Cox ao Brasil e se encontrou com o Chefe Raoni, acompanhado pelas mídias, para renovar o seu apoio para os próximos anos, em seu nome e em nome da Fundação Rainforest, que continou a gerar receitas significativas para apoiar a luta do Chefe Raoni. Os eventos que seguem vão, no entanto, dissuadir Sting e a Fundação Rainfortest de continuar a associar seus nomes ao do Chefe Raoni. 

Enquanto Sting retoma o caminho dos palcos depois de ter deixado sua carreira de lado por conta da causa da Amazônia, Jean-Pierre decidiu contornar a relação de parceria entre o cantor e o Chefe Raoni, que deveriam agora continuar sem ele. 

 

3.UM BELGA EXPLORA OS ÍNDIOS DA AMAZÔNIA E TENTA UM GOLPE DE 5 MILHÕES DE $ NA EUROPA (1991)

 

SUMÁRIO GERAL :

JEAN PIERRE DUTILLEUX, A BARRAGEM BELGA DA AMAZÔNIA

1. POR TRÁS DO FILME “RAONI” (1979 – 2015)

2. STING EXPULSA DUTILLEUX DEVIDO A ENRIQUECIMENTO PESSOAL (1990)

3.UM BELGA EXPLORA OS ÍNDIOS DA AMAZÔNIA E TENTA UM GOLPE DE 5 MILHÕES DE $ NA EUROPA (1991)

4. UM DEPÓSITO ILÍCITO DA MARCA RAONI (2010)

5. DUTILLEUX PROIBIDO DE ENTRAR EM TERRITÓRIO KAYAPÓ E PERSEGUIDO POR VENDA DE FOTOS (2000-2004)

Anexos do documento