Imprimir

Esclarecimento : apesar de uma disputa de 7 anos, Jean-Pierre Dutilleux, de volta em terra Kayapó em 2009, convence o chefe Raoni de recolher as suas memórias para um editor francês. Uma turnê promocional com o chefe é organizada em maio de 2010 na França e em alguns outros países europeus. Na ocasião, Dutilleux decide reativar a Associação Forêt Vierge, separada da matriz (Rainforest Foundation) desde 1990 (ver caso nº2 e nº3) adormecido há anos. Logo que Raoni partiu, a primeira preocupação da Association Forêt Vierge parecia mais fazer comércio com o nome Raoni, que de transmitir seu engajamento contra a barragem de Belo Monte, que conta com a participação de empresas francesas. Enquanto uma petição do chefe Raoni lançada no site Raoni.fr (atual Raoni.com) recebe um grande sucesso, o nome "Raoni" é registrado pela Association Forêt Vierge como marca francesa no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Um projeto de perfume é desenvolvido. Um pequeno problema, isso foi feito sem a autorização do chefe Raoni e de seu Instituto...

 

A marca “Raoni” foi registrada no INPI ao mesmo tempo em que uma pintura do grande chefe
serve como logotipo para a Association Forêt Vierge em 2010.

 

Anexo 018: Cópia do registro da marca “Raoni” movida pela Associação Forêt Vierge, por intermédio do gabinete Armengaud Ainé em 15 de junho de 2010.

Download da página em JPG (francês)

Um registro da marca "Raoni" no INPI + logotipo de uma pintura do chefe Raoni (classes de produtos ou serviços: 3, 25, 29, 30, 31,32) é movido em 17 de junho de 2010 no INPI pela Association Forêt Vierge. As classes em questão incluem produtos de beleza, roupas, alimentos, cosméticos, águas minerais e gasosas, suco de frutas...O pedido da Associação Forêt Vierge passa pelo escritório de advocacia de Armengaud Ainé, do qual faz parte Caroline de Bontin, irmã de Henri de Bontin, que se tornará vice-presidente da Associação Forêt Vierge em 2011. De acordo com os documentos que nós pudemos consultar, Jean-Pierre Dutilleux e a Associação Forêt Vierge não tinham autorização necessária por parte do chefe Raoni ou de seu Instituto para efetuar esse registro de marca. É necessária uma procuração para isso e ela não foi entregue. Será que ss diferentes interlocutores são informados por Dutilleux, que ele já sabe disso? Ainda assim, no dia seguinte, ou seja, em 18 de junho, Jean-Pierre Dutilleux envia um pedido de procuração ao Instituto Raoni a fim de poder "proteger juridicamente o nome de Raoni contra pirataria", mas na realidade, é para regularizar seu ato ilícito. A procuração que ele pede não se destina apenas a um registro de marca, ele quer a mais ampla possível. No caso de outras abordagens? Ele também escreve isso: “o conselho (da Associação Forêt Vierge) declara que se os Kayapós querem que a AFV continue trabalhando por eles, a AFV precisa de um mandado claro com uma procuração de Raoni para respeitar a legislação francesa e manter nossa credibilidade e reputação junto aos governos, instituições públicas, entidades privadas e mídias empresas, a fim de obter os fundos necessários para o Instituto Raoni e sua demarcação de terras indígenas”.

Henri de Bontin, da Association Forêt Vierge, com o chefe Raoni, negócio de família: sua irmã registrou a marca Raoni no INPI
para a Association Forêt Vierge e seu irmão sonha em desenvolver os cosméticos e perfumes "Raoni".

 

Em 15 de julho de 2010, uma resposta negativa, assinada por vários chefs Kayapós chega. Trecho: "todos os aspectos (dos pedidos de Jean-Pierre Dutilleux) foram analisados, assim como a solicitação de uma procuração onde o chefe Raoni deveria dar um grande poder a sua Associação igualmente, do que nós compreendemos o controle total de seu nome, que levaria, através desse documento, a impossibilidade quase total do cacique de estabelecer qualquer acordo com outro parceiro, no caso de utilizar o seu nome como fonte para coletar fundos. Nossa preocupação refere-se a uma denúncia com relação à Associação Wayanfa, cuja sede está localizada em Paris, que se declara como única associação autorizada a coletar fundos e promover o nome do chefe Raoni sobre o território françês, sendo tal informação uma grande mentira, porque até o momento o cacique Raoni não deu sua exclusividade a ninguém (...) Longe de nós acusar ou insinuar que a Associação Forêt Vierge vá se comportar de maneira desonesta, mas nós devemos discutir esses pontos juntamente com a comunidade e com a decisão de todos. Como disse o presidente de honra da vossa associação: "é melhor receber de coração aberto todas as pessoas que estão dispostas a ajudar em vez de escolher um ou outro e perder a confiança de todos".

A Association Forêt Vierge é então informada que ela não tem a autorização de registrar a marca Raoni. Se seu desejo de registro de marca é realmente ligado à necessidade de proteger o nome do chefe de toda a exploração fraudulenta, seria lógico pensar que ela iria transmitir o domínio de seu nome ao Instituto Raoni. Isso não vai acontecer.

 

Anexo 019: cópia de uma carta registada de 10 de maio de 2011 proveniente do Gabinete Armengaud Ainé sobre o registro da marca "Raoni" apresentada pela Associação Forêt Vierge

Download a página em PDF (francês)

Como demonstra este documento endereçado à sua Presidente Nathalie Gaillard, a Associação Forêt Vierge não desistiu de manter a marca 'Raoni', registrada de maneira fraudulenta. Especifica-se que a marca irá expirar no dia 16 de junho de 2020 e que pode ser declarada como perdida se não funcionar durante um período contínuo de 5 anos. Caroline de Bontin co-assinou o documento. Um assunto de família. Enquanto ela gere este registro de marca, seu irmão Henri de Bontin, muito próximo de Jean-Pierre Dutilleux, iniciou conversações com uma empresa de perfumaria, Mékarfum propriedade de seu irmão Bertil de Bontin. O contrato para desenvolver uma fragrância 'Raoni' já está pronto.

 

Anexo 020: cópia de um "compromisso irreversível de fazer um contrato entre a empresa Mérkafum e a Associação Forêt Vierge para uma linha de produtos cosméticos e/ ou perfumes Raoni”

Baixar o documento em PDF

Este documento esmagador diz que um projeto de cosméticos e perfumes Raoni já estava em fase de desenvolvimento em 2010, porque está escrito que o documento deve ser assinado no máximo em 30 de setembro de 2010. Se este projeto falhou, deve-se notar, no entanto, a atitude da Associação Fôret Vierge poucos meses depois, quando o Instituto Raoni e o chefe Raoni decidem cortar as amarras com Jean-Pierre Dutilleux e a AFV (março de 2012) através de um comunicado divulgado publicamente em seu site.

Associação Forêt Vierge (“Associação Floresta Virgem”), da esquerda para a direita:
Patrick Mahé, Jean-Pierre Dutilleux, Nathalie Gaillard (atual presidente) e Bernard Laine, cercam o chefe Raoni

 

Anexo 021: reproduções de dois comunicados do Instituto Raoni publicados em março e abril de 2012, no seu site oficial, em relação ao rompimento com Dutilleux e AFV

Download do comunicado datado de 02 de março de 2012 em PDF

Download do comunicado datado de 2 de Abril de 2012 em PNG

Em 2 de março de 2012 o Instituto Raoni envia uma declaração do cacique Raoni a todos os seus amigos e parceiros para informar que Jean-Pierre Dutilleux e a AFV não estão autorizados a levantar fundos em nome do cacique Raoni Kayapó e seu povo. Em 2 de abril de 2012, esclarecimentos são feitos e publicados.

 

Parte 022: captura de tela de um comunicado da Associação Forêt Vierge publicada em 12 de outubro de 2012 em sua página no facebook

Download a impressão da página PDF (francês)

 

Extrato da publicação (captura de tela)

A reação da AFV demora. Ė finalmente publicada em online em 12 de outubro de 2012 na página Facebook da Associação, administrada por Henri de Bontin. Trata-se de uma intimação e de ameaças contra o Instituto Raoni, o seu diretor e o presidente da ONG Planète Amazone. Claro, essas ameaças nunca serão de fato colocadas em prática.

Nos comentários, alguém lembra à AFV que a única razão pela qual seu apelo às doações em favor do chefe Raoni está suspenso é porque eles não têm mais autorização para transmití-la.

 

Resposta de AFV: "a Associação Forêt Vierge é proprietária do nome Raoni na França e, consequentemente, detém o direito exclusivo de usar esse nome para algum propósito seja de qual natureza (sic)." Então: "Eu [Henri de Bontin] sinto muito, mas o nome Raoni é uma marca registrada na França e é propriedade da Associação Forêt Vierge "

Alguém responde: "Que vergonha!!!!!!! E vocês tem sua autorização para usar seu nome ????? "

Resposta de AFV: "Claro, e isso foi feito para protegê-lo de pessoas que não sérias”.

A pessoa insiste: "Sr. de Bontin, se o registro de marca foi feito para "proteger" Raoni, por que você (a AFV) não transferiu esse registro ao Instituto Raoni que o representa e por que você não registrou o nome à nível mundial? Esta é a única maneira de realmente proteger um nome, e você sabe disso. "

Resposta de AFV: "Um registro de marca mundial custa 2.000€ e isso era demais para a nossa pequena associação"

 

A publicação Facebook da AFV com comentários embaraçosos será rapidamente apagada. Subsiste esta captura de tela. Segundo as nossas informações, vários tentativas para permitir o Instituto Raoni de recuperar a marca Raoni serão realizados por um advogado até os dias de hoje. Todos eles permanecem sem resposta. Como pode confirmar captura de tela datada de 2 de julho de 2016, a marca Raoni ainda pertence à AFV ... Para "proteger" o chefe Raoni sem o seu consentimento?

Captura de tela do INPI, prova que a marca Raoni ainda pertence à Associação Forêt Vierge, em Julho de 2016.

 

SUMÁRIO GERAL :

JEAN PIERRE DUTILLEUX, A BARRAGEM BELGA DA AMAZÔNIA

1. POR TRÁS DO FILME “RAONI” (1979 – 2015)

2. STING EXPULSA DUTILLEUX DEVIDO A ENRIQUECIMENTO PESSOAL (1990)

3.UM BELGA EXPLORA OS ÍNDIOS DA AMAZÔNIA E TENTA UM GOLPE DE 5 MILHÕES DE $ NA EUROPA (1991)

4. UM DEPÓSITO ILÍCITO DA MARCA RAONI (2010)

5. DUTILLEUX PROIBIDO DE ENTRAR EM TERRITÓRIO KAYAPÓ E PERSEGUIDO POR VENDA DE FOTOS (2000-2004)

Anexos do documento